Revista EBD Betel 3º Tri-2017 - Lição 05 - A evangelização de grupos específicos

Seja bem vindo (a) a lição 05 aqui você vai encontrar em texto e vídeo.
Seja edificado (a)

Revista completa do 3º Trimestre Clique aqui

♫ Hinos sugeridos ♫
Harpa Cristã:
Harpa Cristã:
Harpa Cristã:

Texto Áureo:
"Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido." (Lc 19.10).

Verdade aplicada:
Ao evangelizar grupos que estavam à margem da sociedade, Jesus não somente nos deu um exemplo, como também nos confiou um legado.

Objetivos da lição:
  • ENSINAR que o amor divino nos inspira a evangelizar grupos específicos;
  • ENFATIZAR a necessidade de se evangelizar grupos que sofrem abandono;
  • MOSTRAR como podemos alcançar os diversos grupos de viciados, encarcerados e ex-presidiários.

Textos de referencia:
Lc 19.1 – E, tendo Jesus entrado em Jericó, ia passando.
Lc 19.2 – E eis que havia ali um varão, chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos e era rico.
Lc 19.3 – E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura.
Lc 19.4 – E, correndo adiante, subiu a uma figueira brava para o ver; porque havia de passar por ali.
Lc 19.5 – E, quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa.

EM BREVE COMPLETA

Vídeo completo

Curso Básico de Missões e Evangelismo Gratuito - 2017-2018


Paz do senhor amados, venho através deste post indicar esse belo curso de missões onde estudamos e analisamos, um curso rápido mais recheado de conhecimento, CPO Brasil está de parabéns pelo curso. faça sua inscrição você não se arrepender.



O Curso é Gratuito

Sim, o investimento para realização desde curso foi totalmente REMOVIDO. Não existem custos de mensalidades, anuidades e nenhum outro tipo de cobrança para realização e conclusão do curso.

Como o Curso Funciona:

O Curso é realizado Online neste site através da 'Área do Aluno'. O Curso possui 3 Aulas, cada uma com Apostila Online e Vídeo de Apoio. Após responder as provas das aulas e obtendo o mínimo de 7 pontos, você concluirá o curso e será disponibilizado o seu Certificado Online de Conclusão do Curso gratuitamente.

Caso não haja aproveitamento mínimo nas provas o aluno poderá estudar novamente o conteúdo e refazer a prova quando desejar. Mas informamos que o conteúdo explicativo do curso é muito claro e objetivo onde não será difícil atingir um bom resultado.

O CURSO É LIBERADO AUTOMATICAMENTE APÓS A INSCRIÇÃO

Geografia Missionária da Índia - Paul Mathews


Palestra realizada por Paul Mathews, missionário na Índia, na conferência bienal Todos os Povos Te Louvem Aliança realizado em Belo Horizonte - MG em novembro de 2016 pelo Grupo Povos e Línguas.

Vídeo completo:



Via: Veredas Missionaria 

Revista EBD Betel 3º Tri-2017 - Lição 04 - O perfil dos enviados de Cristo

Seja bem vindo (a) a lição 04 aqui você vai encontrar em texto e vídeo. 
Seja edificado (a)

Revista completa do 3º Trimestre Clique aqui

♫ Hinos sugeridos ♫
Harpa Cristã: 12
Harpa Cristã: 208
Harpa Cristã: 303

Texto Áureo:
“E disse-me: Vai, porque hei de enviar-te aos gentios de longe.” At.22.21

Verdade aplicada:
Jesus Cristo fez de Sua missão um modelo para a nossa, enviando-nos ao mundo.

Objetivos da lição:
  • Ensinar acerca das virtudes do caráter de um servo enviado;
  • Apresentar três fatores básicos de motivação para aqueles a quem o Senhor Jesus envia;
  • Mostrar as responsabilidades e as recompensas destinadas aos cristãos.


Glossário:
Distinguir: Perceber a diferença entre pessoas ou coisas, ser diferente; diferenciar-se, não se confundir;
Esboçar: Planejar, projetar;
Espectador: Aquele que presencia um fato ou acontecimento qualquer.

Leituras complementares:
Segunda:                 Terça:                       Quarta:
Mt 28.19                Mt 28.20                    Mc 16.15
Quinta:                      Sexta:                       Sábado:
At 1.8                    Rom 10.14                    Rm 10.15

Textos de referencia:
 Atos 20:17-21
17 - E, de Mileto, mandou a Éfeso chamar os anciãos da igreja.
18 - E, logo que chegaram junto dele, disse-lhes: Vós bem sabeis, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia, como em todo esse tempo me portei no meio de vós,
19 - Servindo ao Senhor com toda a humildade e com muitas lágrimas e tentações que, pelas ciladas dos judeus, me sobrevieram;
20 - Como nada, que útil seja, deixei de vos anunciar e ensinar publicamente e pelas casas.
21 - Testificando, tanto aos judeus como aos gregos, a conversão a Deus e a fé em nosso Senhor Jesus Cristo.

Motivos de oração: 
Ore para que pessoas sejam transformadas e moldadas pelo amor de Jesus através da Palavra.

(Introdução)
1. O caráter de um enviado
2. A motivação de um enviado
3. Responsabilidades e recompensas
Conclusão.

Introdução
O processo da pregação do Evangelho e tão impressionante que até os anjos observam e estão atentos com grande interesse (1Pe 1.12). A tarefa de anunciar as boas-novas de salvação é dos discípulos de Jesus (Jo 20.21).

O caráter de um enviado.
O apóstolo Paulo é um exemplo de perfil aprovado para a obra evangelizadora. Ele era um homem temido por perseguir o povo cristão. Todavia, após encontrar-se com Jesus e receber a salvação. Tornou-se um importante instrumento na evangelização.

1.1 Servo.
Quem diria que na pele de um homem, que “respirava ameaças e mortes”, como Saulo, estaria um apóstolo? Jamais devemos desanimar em falar de Cristo aos homens, porque podemos encontrar um zeloso Paulo escondido na alma de um Saulo pecador (At 9.15). Saulo se tornou um frutífero pregador do Evangelho. Ele testemunhou que, após a conversão, pertencia a Deus e O servia (At 27.23). Primeiro vem a conversão, depois o serviço (1Ts 1.9). É necessário que todo discípulo de Jesus Cristo tenha a mesma consciência do apóstolo Paulo quanto ao chamado para servir. Todos precisamos estar comprometidos com o serviço da evangelização.

Na eternidade, um dos títulos concedido a nós pelo Senhor Jesus Cristo será o de servo (Mt 25.21, 23). Embora visto como algo humilhante por alguns, o título de servo e bastante valorizado ao longo das Sagradas Escrituras. Repetidas vezes, Moisés, o líder dos filhos de Israel, é chamado de “servo do Senhor” (Dt 34.5; Js 1.1); Jesus Cristo, o Messias, a luz dos gentios, também recebe o mesmo tratamento de “servo do Senhor” (Is 42.1; 52.13). No entanto, os exemplos acima demonstram para nós que o principal não é ter o título de servo, mas, sim, o caráter de servo, pois “o servo que não serve, não serve”.

1.2 Santo.
Como pregador da Palavra de Deus, Paulo zelava por sua reputação diante de todos (At 20.18). Ele se colocou como um exemplo digno de ser seguido desde o primeiro dia em que chegou à Ásia. Porém, ter o caráter santo é ir além da boa reputação. O apóstolo Paulo não estava preocupado com prestígio humano. Seu zelo ia além do conceito que as pessoas poderiam formular acerca de sua pessoa. Paulo estava preocupado primeiro em agradar a Deus (Gl 1.10). Ter um caráter santo é distinguir-se entre os demais, fazendo sempre realçar as virtudes do Senhor Deus, que não somente habita em nós, mas também coordena nossas atitudes (1Co 9.23-27).

Caráter é o conjunto de qualidades que distinguem uma pessoa ou um povo. Tanto a reputação quanto a santificação devem ser alvos constantes dos cristãos. É importante ressaltar que os escribas e fariseus estavam muito preocupados com a reputação, mas o Senhor Jesus Cristo criticou a hipocrisia deles, porque ensinavam uma coisa e faziam outra (Mt 23.4-7). Não deve ser esse o proceder do cristão.

1.3 Virtuoso.
Paulo expõe que servia ao Senhor com toda humildade, com lágrimas e enfrentando ciladas e tentações (At 20.19). Um servo de Deus deve viver focado porque a nova vida exige que sejamos virtuosos (2Pe 1.5). Não estamos isentos de sermos recusados ou ignorados, mas devemos pedir a Deus graça para suportar as pressões que a missão nos exige. É preciso esforço e fazer todo o possível para sermos virtuosos. A palavra virtude em 2Pedro 1.5 admite vários sentidos: excelência, boa qualidade, bondade. São aspectos que precisam estar presentes na vida daquele que é enviado pelo Senhor Jesus para continuar a grande obra da evangelização.

Além de raça eleita e sacerdócio real, os cristãos são nação santa e povo de propriedade exclusiva de Deus. Esse povo descrito pelo apóstolo Pedro em termos tão magnificentes e repletos de conteúdo tem uma missão no mundo: proclamar as virtudes de Deus. Virtudes, no grego “aretas”, era um termo amplamente difundido na época. Podemos entender este termo como as excelências, as grandezas de Deus, os Seus feitos maravilhosos. E quais seriam estes grandes feitos do Senhor Deus? A resposta é simples: a morte e ressurreição de Jesus Cristo como a transformação libertadora do homem e do seu mundo. O feito maior do Eterno Deus, sem dúvida, é a vida e obra de Jesus Cristo, que abre definitivamente diante do homem o futuro, o êxodo, a libertação, avida eterna, vencendo todas as barreiras impostas pelo pecado (Rm 8.1). O Maravilhoso Deus nos transportou do império das trevas para o Reino do Filho do Seu amor (Cl 1.13). Longe de Deus, a humanidade nem pode se chamar de povo, pois nada mais é do que um agregado de pessoas bastante egocêntricas e individualistas, cada um lutando por interesses próprios. 

----------------------------------------------------------------------------------------

2 A motivação de um enviado.
A motivação é a energia que coloca em movimento o ser humano. A motivação é o princípio de uma ação voluntária e consciente. Vejamos alguns fatores que motivaram o apóstolo Paulo em sua tão brilhante missão.

2.1 Obediência a visão.
Toda missão tem um destino a nos levar. Deus não nos chamou para sermos espectadores. Sempre que vemos o Espírito de Deus na Bíblia. Ele está realizando algo (Gn 1.2). O próprio Jesus disse “Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também” (Jo 5.17). Uma vida sem propósito é vazia e sem motivação. Paulo foi movido por uma visão. O Senhor o escolheu para ser apóstolo dos gentios. Ele foi fiel à visão celestial testemunhando tanto a grandes, quanto a pequenos, em sua trajetória evangelística (At 26.19).

Nenhum de nós precisa receber uma “revelação” para ter que pregar, evangelizar ou testemunhar acerca de Jesus Cristo. Já temos a Palavra de Deus revelada. Todos nós temos uma responsabilidade: anunciar que só há salvação em Jesus Cristo (1Co 9.16). Para isso, precisamos estar cheios do Espírito Santo. E, se o Senhor nos der uma visão particular, uma missão específica, sejamos obedientes à Sua ordem.

2.2 O amor pelos perdidos.
Todo cristão deve possuir um profundo amor pelos perdidos. Nosso maior exemplo é o Senhor Jesus Cristo. Ele expressou Seu amor até no momento da crucificação (Lc 33.34). Devemos sempre permitir a frutificação do amor de Deus pelos perdidos através de nossas vidas. Em Atenas, o apóstolo Paulo encontrou uma cidade tomada pela idolatria. Isso comoveu seu espírito de tal maneira que resolveu propagar a luz da verdade para salvar o povo da cegueira e da perdição (At 17.16-17). Tomado pelo amor e inspirado pelo Espírito, ele testemunhou acerca de Cristo e da ressurreição, e alguns creram em sua palavra (At 17.34).

O episódio do apóstolo Paulo na cidade de Atenas nos ajuda a sondar os nossos próprios corações. Paulo odiava a idolatria, mas amava os perdidos. Ao contemplar a situação, ele não os criticou, nem os desprezou, mas partiu, decididamente, a pregar nas sinagogas e Deus o abençoou grandemente. Ele mesmo disse: “E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse caridade, nada seria” (1Co 13.2).

2.3 Senso de urgência.
Ao refletir ainda sobre Paulo em Atenas, percebemos o seu senso de urgência (At 17.16). O termo usado por Lucas é: “paroxuno”, que tem o sentido de afiar, amolar, acelerar. É necessário que o evangelizador tenha uma visão clara da situação espiritual dos que ainda não nasceram de novo, para que possua um senso de urgência, celeridade, pressa. Os perdidos precisam ouvir a mensagem do Evangelho para que possam se arrepender, Devemos ter o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus, que ia de cidade em cidade, de sinagoga em sinagoga pregando a mensagem do Reino de Deus (Mt 9.35).

O que o Senhor Jesus fez no território de Israel, indo de cidade em cidade, e de sinagoga em sinagoga, o apóstolo Paulo, igualmente fez, entre os judeus e piedosos da diáspora. O tempo de fazer uma grande colheita de almas para Deus na cidade de Atenas havia chegado, portanto, era necessário que Paulo agisse urgentemente, pois o juízo se aproxima (At 17.30-31).

 ---------------------------------------------------------------------------------------- 

3 Responsabilidades e recompensas.
Anunciar o Evangelho é uma responsabilidade seguida de grandes recompensas. O trabalho de um servo de Deus nunca será vão no Senhor, porque Ele é galardoador de todos os que o buscam e sempre recompensará aqueles que produzem em Sua seara (Mt 25.21; Hb 11.6).

3.1 Um coração zeloso como de um pai.
O apóstolo Paulo desejava apresentar a Jesus Cristo não somente um número de pessoas, mas pessoas tratadas, cuidadas, limpas e santas (2Co 11.2). O zelo pela obra era paternal, que funcionava desde a geração até o crescimento. Paulo não desejava entregar a Deus bebês pirracentos (1Co 3.1-3). Por isso, ele os visitava, orava por eles, escrevia cartas e os alertava acerca dos perigos que tentavam usurpar sua fé e penetrar no seio da igreja. Não basta gerar bebês espirituais, deve-se cuidar até que cresçam, ou encaminhar a quem deles cuide (1Co 14.20).

O apóstolo Paulo, como pai zeloso, sempre teve como finalidade apresentar o melhor fruto a Deus (1Co 12.24-26). Para o apóstolo Paulo, há lugar para atitude infantil, mas é com respeito à malícia, não ao pensamento. Mais do que nunca, é necessário ser maduro no entendimento e crianças diante da malícia. Como esse princípio é importante e determinante nos dias em que vivemos. É importante lembrar que o Espírito Santo atua na edificação da Igreja precisamente por intermédio da razão amadurecida.

3.2 Um compromisso com a vinda do Senhor.
Todo aquele que está enraizado em Cristo deve ter em mente a realidade da vinda do Senhor. É por esse motivo que devemos anunciar o Evangelho a tempo e fora de tempo, porque não sabemos quando o Senhor virá (Mt 24.50). A evangelização é um compromisso com o próprio Senhor. É necessário que falemos de Jesus em toda e qualquer oportunidade que se apresenta a nós. O tempo urge e os sinais estão mais claros a cada dia. Se não anunciarmos, muitos descerão ao abismo da perdição por nossa culpa. O Senhor nos entregou a boa semente, nos deu o Seu Espírito Santo e nos capacitou com os dons espirituais. É sair e colher, porque os campos já estão prontos para a ceifa (Jo 4.35).

A vinda de Jesus Cristo pode acontecer a qualquer momento e nos foi prometido um prêmio especial da parte de Deus pelas nossas obras (1Co 3.8). Vale a pena ressaltar que existem vários tipos de obras (ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno e palha) e vários tipos de recompensa. Porém, com recompensa ou não, a nossa responsabilidade como salvos é avisar aos perdidos da iminente vinda de Jesus Cristo e o que acontecerá aos ímpios no dia de Sua vinda (At 17.30-31; 1Ts 1.10).

3.3 A recompensa dos enviados.
O trabalho da seara do Senhor Jesus é árduo e inclui surpresas, dores, provações e perseguições. Todavia, em meio a tudo isso, o Senhor nos prometeu um prêmio por nossas obras. Mas como distinguir esse prêmio? A forma como Deus nos premia vai além de qualquer pensamento (Ef 3.20). A Palavra de Deus nos assegura que o trabalho na obra do Senhor “não é vão” (1Co 15.58), “jamais será improdutivo”. Todos os esforços serão recompensados pelo Senhor da seara no glorioso dia do Seu retorno (Mt 25.21; Lc 19.17).

O trabalho de um lavrador é árduo. Debaixo de sol, ele prepara a terra, lança a semente e aguarda o precioso fruto de seu trabalho. É importante compreender que toda semente tem um tempo de maturidade. Assim é o nosso semear. Pode parecer que nada acontece, mas devemos crer que a Palavra de Deus sempre prosperará (Is 55.11).

Conclusão
Todo discípulo de Jesus Cristo, consciente de ter sido chamado para cumprir tão importante tarefa, enviando ao mundo (Jo 20.21) e capacitado com o poder do Espírito Santo (At 1.8), precisa ser perseverante no trabalho do Senhor até que Ele venha. 



VÍDEO COMPLETO

Questionário

1. Qual era a preocupação de Paulo?
Resposta: Ele estava preocupado primeiro em agradar a Deus (Gl 1.10).

2. Por que o servo de Deus deve viver focado?
Resposta: Porque a nova vida exige que sejamos virtuosos (2Pe 1.5).

3. Segundo a lição, o que todo cristão deve possuir?
Resposta: Um profundo amor pelos perdidos (Lc 23.34).

4. O que Paulo desejava apresentar a Jesus Cristo?
Resposta: Pessoas tratadas, cuidadas, limpas e santas (2Co 11.2).

5. O que a Palavra de Deus nos assegura?
Resposta: Que o trabalho na obra do Senhor “não é vão” (1Co 15.58).

Revista EBD Betel 3º Tri-2017 - Lição 03 - A evangelização urbana


Seja bem vindo (a) a lição 03 aqui você vai encontrar em texto e vídeo.
Seja edificado (a)

Revista completa do 3º Trimestre Clique aqui

♫ Hinos sugeridos ♫
Harpa Cristã: 15
Harpa Cristã: 171
Harpa Cristã: 172

Texto Áureo:
“E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do Reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo”. Mateus 9.35

Verdade aplicada:
Um cristão jamais deve cometer o erro de guardar para si a salvação que recebeu.

Objetivos da lição:
Falar acerca da necessidade da evangelização urbana e das oportunidades de falar de Cristo;
Explicar as principais estratégias de evangelização;
Mostrar outros mecanismos de evangelização e a necessidade de integração do novo convertido.

Glossário:
Liturgia: Conjunto de elementos e práticas do culto;
Primordial: O mais importante;
Promissor: Que oferece boas perspectivas.

Leituras complementares:
Segunda:                 Terça:                       Quarta:
Mt 9.36                 Mt 9.37                    Mt 9.38
Quinta:                      Sexta:                       Sábado:
Mt 10.7                Mt 11.28-30                    Mt 13.1-23

Textos de referencia:
Lucas 8.1-3
1 E aconteceu, depois disto, que andava de cidade em cidade e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do Reino de Deus; e os doze iam com ele,
2 E algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios;
3 Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, e Suzana, e muitas outras que o serviam com suas fazendas.

Motivos de oração: 
Peça para que o Corpo de Cristo possa trazer esperança e luz em seus círculos sociais.

(Introdução)
1. Necessidade da evangelização urbana.
2. Estratégias da evangelização urbana.
3. Outros modos de evangelização.
Introdução
Vivemos uma realidade urbana. A cidade é o grande desafio para a igreja. A região urbana é o habitat natural de cerca de 80% da população mundial, e os demais vivem em função das cidades (At 17.16, 23).

1 Necessidade da evangelização urbana.
Grandes são os desafios da evangelização urbana. No entanto, devemos aproveitar esta maravilhosa oportunidade de conduzir almas para o Reino de Deus (Cl 1.13).

1.1 As boas novas de salvação.
Todos precisam ouvir a Palavra de Deus e serem tocados pelo poder do Evangelho. Assim, podemos afirmar que é da vontade de Deus que os centros urbanos sejam evangelizados. Apesar de tratar-se de um ambiente caracterizado pela diversidade étnica, cultural, religiosa e econômica, o Evangelho de Cristo é único e nos apresenta um único Deus e um único Salvador, chamando todos ao arrependimento. É de se destacar que o apóstolo Paulo utilizava como estratégia missionária a evangelização de cidades. O campo urbano é um verdadeiro lugar de batalha espiritual. Agostinho declarou que em cada cidade há duas cidades: a cidade de Deus e a cidade de Satanás. Há um conflito. É necessário, pois, que a oração pelas cidades faça parte da estratégia de evangelização urbana.

O amor de Jesus era a força que o motivava a ir de cidade em cidade em busca de almas perdidas (Mt 15.24; Lc 8.1). Precisamos ter em mente que nossa tarefa vai além de resgatar as almas do juízo vindouro. Mais do que nunca, devemos auxiliar as pessoas em suas necessidades, tratar suas feridas da alma e torná-las capazes tanto de andar por si mesmas, quanto de repassar o que receberam (Mt 28.18-20). A passagem de Lucas 8.1-3 mostra a incansável diligência do nosso Senhor Jesus Cristo em anunciar o Evangelho e o Reino de Deus. Alguns creram, outros não. No entanto, a incredulidade dos homens não mudou Sua atitude, nem O impediu de realizar Sua obra. Embora Seu ministério terreno tenha sido curto em duração, foi imenso e intenso, se levarmos em conta as obras que foram realizadas. A diligência de Jesus Cristo é um exemplo para todo cristão. Devemos seguir Seus passos, mesmo que fiquemos aquém da Sua perfeição. Devemos evitar a ociosidade e a frivolidade. Precisamos remir o tempo (Ef 5.16).

1.2 A vida urbana e suas carências.
Muitas pessoas buscam as grandes metrópoles porque enxergam melhores oportunidades tanto para o mercado de trabalho quanto para a qualidade de vida. Todavia. Ao chegarem aos grandes centros, se deparam com uma série de dificuldades, como problemas de moradia, alimentação, segurança, etc. Esses fatores negativos influenciam o indivíduo a que se torne solitário e, até mesmo, abandone suas convicções religiosas (Ec 4.1). É nesse ambiente de necessidade e desilusão que muitos se perdem. Devemos aproveitar a oportunidade que temos de alcançar e acolher tais pessoas em Cristo. Por isso, o tempo de evangelizar é já (2Tm 4.2).

Os diferentes tipos de carências para aqueles que vivem ou principalmente se mudam para as cidades são: problemas financeiros, familiares, morais e culturais, que cercam e influenciam o homem que busca uma melhor oportunidade na cidade grande. Pela falta de amparo e recursos, muitos são os envolvidos pela perversidade do sistema mundano e, assim, levados a todo o tipo de pecados que vemos na sociedade (1Co 15.33).

1.3 Dificuldades da evangelização.
Há dois tipos de dificuldades que envolvem a evangelização. A primeira diz respeito à falta de iniciativa das igrejas para evangelizar. Muitas igrejas não buscam entender o que está ocorrendo no seu bairro e não aproveitam dessa oportunidade para pregar o Evangelho. A falta de iniciativa e planejamento de evangelização urbana também pode ser reflexo de problemas internos (competição, excesso de atividades internas ou indiferença). A segunda dificuldade diz respeito à vida pecaminosa mais intensa da própria cidade, como violência, uso de drogas, promiscuidade, roubo, etc. Tendo noção dessas coisas, pode-se, com certeza, fazer um trabalho mais efetivo de evangelização.

As duas dificuldades citadas acima mostram que, se buscarmos compreendê-las melhor, a evangelização local poderá ser bem mais efetiva. Aliada a um bom conhecimento de causa, a fé é indispensável para os cristãos no cumprimento da missão que o Senhor destinou (Mc 16.15-18).
 ---------------------------------------------------------------------------------
2 Estratégias da evangelização urbana.
Cabe a nós, cristãos, na direção do Espírito Santo e oração, a criação e o desenvolvimento de estratégias para alcançar vidas para Cristo. Vejamos algumas alternativas que podem nos conduzir a grandes resultados.

2.1 Através dos templos.
Evangelizar através dos templos é uma excelente estratégia. Até o Senhor Jesus fazia isso. Em diversos textos dos evangelhos, encontramos Jesus ensinando, pregando e curando nas sinagogas. O apóstolo Paulo também utilizava das sinagogas para anunciar a Cristo (Jo 8.32; At 18.4). A igreja local pode ser mobilizada a convidar os vizinhos, parentes e amigos não cristãos ou afastados do Evangelho. Pode-se realizar um culto especial, onde a igreja será mobilizada somente para buscar as pessoas que se afastaram (Mt 15.24). Essa estratégia facilita bastante na integração do novos decididos, porque essas pessoas chegaram ao templo indicadas ou acompanhadas por alguém. Assim, tal convidado, decidindo aceitar a Cristo, não se sentirá só ou terá dificuldade para se entrosar na igreja local.

A própria Escola Bíblica Dominical pode e deve ser usada como um instrumento de evangelização. Vale ressaltar que a Escola Dominical nasceu com este caráter evangelizador. Tanto o professor quanto os alunos podem convidar não cristãos para assistir as aulas. Assim, os convidados têm uma excelente oportunidade de ouvir a Palavra de Deus, aprender mais sobre Jesus, Seus ensinamentos e a salvação.

2.2 Através dos lares.
A tática de evangelização através dos lares é sempre muito eficaz. Foi uma das principais formas de evangelizar nos primórdios da Igreja (Mt 10.12; At 5.42; 18.7-8). Mas, para isso, algumas providências devem ser tomadas, começando, por exemplo, pela autorização do líder da igreja. É necessário um ambiente preparado em oração, organizado para receber e acomodar os convidados. Para esse tipo de trabalho, requer horário previsto para começar e terminar. Não se deve usar tom de pregação, mas, sim, de conversa no culto. Não se deve cantar muitos hinos, para que se tenha tempo para a Palavra. Nada de lanches caros, mas tudo regado à oração e gentileza, para que as pessoas possam voltar no próximo culto doméstico (1Co 10.31).

A igreja primitiva caminhava com os cultos no templo e nos lares (At 16.32). É importante ressaltar que nada se faz nesse sentido sem ser autorizado pelo líder local da Igreja. Com oração, organização e perseverança, o culto no lar contribuirá para o crescimento da igreja local. Esse tipo de culto edifica não somente aos que ouvem, mas também aos que anunciam.

2.3 Na evangelização pessoal.
A evangelização pessoal segue passos bem simples no contato com as pessoas. Para isso, deve-se marcar encontros pessoais; praticar a visitação de casa em casa; ou ainda, distribuir folhetos ou qualquer outra literatura de natureza evangelística. O lugar e o tempo disponível determinarão que palavras usar ou que maneira poderemos nos dirigir à pessoa a ser evangelizada. É preciso estar atento às oportunidades, esforço e orientação do Espírito Santo. Duas classes sempre são abordadas: os que ainda não se decidiram e os desviados. Para cada grupo, existe um tipo de mensagem. Por esse motivo, é preciso manusear bem a Palavra e deixar que o Espírito Santo use nossa instrumentalidade (Mc 16.20).

A evangelização pessoal é eficaz porque nela o evangelista tem a oportunidade de abordar as pessoas diretamente. Assim, elas poderão expressar suas dúvidas, fazer perguntas sem serem interrompidas e expor seus medos e anseios. Quando os cristãos estão inflamados pelo desejo ardente de anunciar a salvação aos pecadores, eles transmitem influência aos que estão descuidados e indiferentes. É muito edificante ver a Palavra de Deus se cumprindo quando anunciamos sem temor (Rm 1.16).

 ---------------------------------------------------------------------------------

3 Outros modos de evangelização.
As cidades são os campos brancos para a colheita evangelística (Jo 4.35). Vejamos alguns mecanismos bem eficazes na proclamação do Evangelho.

3.1 A distribuição de folhetos.


ESTUDE EM VIDEO


Questionário

1. Qual é o tempo de evangelizar?
Resposta: Já (2Tm 4.2).


2. Qual foi uma das principais formas de evangelizar nos primórdios da Igreja?
Resposta: A evangelização nos lares (Mt 10.12; At 5.42).


3. O que são as cidades?
Resposta: Campos brancos para a colheita evangelística (Jo 4.35).


4. O que é folheto?
Resposta: A isca perfeita para que a rede seja lançada e o pecador seja regenerado por Cristo (Lc 5.4-5).


5. Por que a integração é tão importante quanto a evangelização?
Resposta: Porque ela é quem vai consolidar o novo cristão (1Pe 2.2).

Siga-nos

Parceiros

Tecnologia do Blogger.